Publicada em 11/01/2017 às 12:43

Enredo de escola de samba carioca revolta o agronegócio em Mato Grosso

Tema da Imperatriz Leopoldinense insinua que setor é responsável pela destruição do ambiente.

O samba-enredo deste ano da escola Imperatriz Leopoldinense, do Rio de Janeiro, está gerando protestos de diversas entidades ligadas ao agronegócio de Mato Grosso e do País.

Produtores de sementes de soja divulgaram nota nesta terça-feira (10) repudiando o enfoque da escola.

A Famato (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Mato Grosso) chegou a anunciar que também divulgaria uma nota, mas até o fechamento desta edição o documento não havia sido publicado.

Intitulado "Xingu - O Clamor que Vem da Floresta", o samba-enredo faz uma homenagem ao Parque Nacional do Xingu, em Mato Grosso, e insinua que a destruição da natureza está ligada à produção do agro.

A escola, que integra o Grupo Especial do carnaval carioca, vai se apresentar no Sambódromo da Avenida Marquês de Sapucaí no dia 26 de fevereiro à 0h50, com transmissão ao vivo pela Rede Globo.

Em um dos trechos, a música diz que “o belo monstro rouba as terras dos seus filhos, devora as matas e seca os rios”.

A composição é de Moisés Santiago, Adriano Ganso, Jorge do Finge e Aldir Senna, e o responsável pelo desfile é carnavalesco Cahê Rodrigues.

O setor diz que o tema leva à “desinformação sobre a realidade do agronegócio brasileiro”.

Reprodução

logo samba enredo

O samba-enredo faz uma homenagem ao Parque Nacional do Xingu, em Mato Grosso

 

“O setor produtivo de semente de soja não pode fechar os olhos para as inverdades que o enredo cita, tendo em vista que o carnaval carioca é uma festa que atrai os olhares do mundo todo. Não se pode defender os índios denegrindo o agronegócio”, diz trecho da nota divulgada pela Associação Brasileira dos Produtores de Sementes de Soja (Abrass) e também assinada pela Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat).

A nota é subescrita ainda pela Associação Goiana dos Produtores de Sementes e Mudas (Agrosem) e a Associação dos Produtores de Sementes dos Estados do Matopiba (Aprosem). Matopiba é a região formada pelos Estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Paraíba.

“O agro é atacado inoportunamente, de maneira injusta e sem necessidade (...) As entidades Abrass, Agrosem, Aprosem e Aprosmat, em nome de todos os seus associados, não poderiam deixar de se posicionar diante dessa injustiça a este segmento que tem garantido resultados positivos ao Brasil”.

Além de repudiarem o samba-enredo, as entidades solicitam a retirada das alas chamadas “Fazendeiros e Seus Agrotóxicos” e “Pragas e Doenças”, por “denegrirem” a imagem do setor.

Em outra nota, divulgada pelo Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS), o setor ressalta sua importância e diz que, graças ao agro, o Brasil escapa de uma “recessão ainda maior”, referindo-se à crise econômica.

 

Outro lado

 

Por telefone, a assessoria de imprensa da Imperatriz Leopoldinense afirmou que está acompanhando a repercussão do samba-enredo em toda a sociedade. Mas, por enquanto, não irá se manifestar sobre o assunto.

A escola disse, ainda, que não prevê nenhuma alteração nem retirada de alas do projeto de apresentação deste ano.

 

Confira o samba-enredo:

 

 

Autor: ÉRIKA OLIVEIRA
Fonte: midianews.com.br

Comente com o Facebook